Início
Leave a comment

Vozes de resistência e redes de solidariedades

A terceira fase da Campanha Comida é Patrimônio retoma seus quatro eixos de debate – Comida é bem material e imaterial; Comida é memória, afeto e identidade; Comida é diálogo de saberes; Modos de viver, produzir e comer – assumindo a perspectiva da defesa de outros mundos de vida nos diferentes biomas do Brasil.

A exposição itinerante mostrará um mapa interativo  com dimensões de 1,80m x 1,80m, inspirados nos biomas brasileiros. Por meio de pensamentos de denúncia e anúncio, a mostra reúne vozes de resistência e redes de solidariedades de povos e comunidades tradicionais. O lançamento será no Congresso Brasileiro de Nutrição (Conbran), que acontecerá entre os dias 18 e 21 de abril, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília.  Além da exposição, a campanha promoverá a oficina “Mapeamento afetivo: comida é identidade, memória e afeto”. A atividade será realizada nos dias 19 e 20, das 16h às 16h30, em frente à exposição, no primeiro pavimento. As inscrições podem ser feitas previamente no local com até 30 minutos de antecedência.

Com esta iniciativa, o FBSSAN tem como objetivo atuar na mobilização em torno da promoção de sistemas alimentares mais justos, equitativos, sustentáveis e saudáveis. Assim, espera-se contribuir para a defesa da comida como um patrimônio biocultural. A concepção da campanha está centrada nos pensamentos-pimenta e no mapa interativo. Garimpamos denúncias e anúncios nos processos de construção de conhecimentos e comunicações dos movimentos organizados da sociedade civil. A diversidade biológica e cultural estão registradas na pluralidade de mundos de vida que habitam o Brasil.

Neste mapa, os rios que atravessam biomas, e não se limitam às fronteiras humanas, são os condutores e serviram de elementos gráficos para dar visualidade às vozes de resistência e redes de solidariedades. A água como fonte de toda a vida e existência é, ao mesmo tempo, denúncia e anúncio nessa cartografia viva, que luta contra a colonialidade, o racismo institucional, as desigualdades e as injustiças socioambientais.

Dos pensamentos-pimenta, selecionamos as palavras mais impactantes que ecoam entre povos originários e comunidades tradicionais para representá-las por meio da linguagem visual. Para conhecer essa riqueza é preciso se aproximar, chegar mais perto. Por isso, utilizamos 50 monóculos com imagens de um mundo onde outros mundos se encaixam com suas cosmologias e racionalidades. Nossa intenção é provocar interlocutoras e interlocutores a partir de uma proposta estético-ético-política.

 Buscamos valorizar aqueles que cuidam da nossa casa comum. E, com isso, dar visibilidade ao vínculo entre cultura, biodiversidade e território. Para o antropólogo brasileiro Raul Lody, “a comida é uma realização estética, simbólica e repleta de significados para quem faz, para quem serve e para quem come. É um conjunto complexo de rituais nas cozinhas, nas feiras, nos mercados, nas mesas, nas experiências da comensalidade”. #comidaepatrimonio


Créditos

Idealizador: FBSSAN
Coordenação executiva: Juliana Casemiro, Vanessa Schottz e Maria Emília Pacheco Curadoria e pesquisa de conteúdo: Juliana Dias e Mònica Chiffoleau
Conceito expositivo e pesquisa de imagens: Mariana Moraes
Design: Gregor Faching

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *